The Handmaid’s Tale é uma série original produzida e exibida pela plataforma Hulu, e distribuída no Brasil através do canal Paramount. Ela conta a história de Offred, uma aia da sociedade fundamentalista cristã Gilead, liderada por um governo tirano formado por elites religiosas e econômicas. As aias têm o objetivo de reprodução dessas elites, gerando filhos dos patriarcas, já que a fertilidade desta sociedade foi reduzida por algum incidente (que os fundamentalistas interpretam como um castigo divino).

A série te fará chorar e querer desligar a televisão ou o computador e testará seus limites a cada episódio, mas aqui estão cinco motivos para assistir e resistir:

5. Fotografia

O trabalho de fotografia dialoga completamente com toda a atmosfera da sociedade. Assim como as aias, temos pouco campo de visão, não temos acesso completo às informações que circundam as personagens, isso é alcançado através da baixa profundidade de campo em conjunto com planos próximos. Os planos gerais, que são responsáveis por apresentar Gilead ao público reforçam a opressão, ao colocar as personagens à frente de muros enormes manchados de sangue.

Veja Também!  Titãs | Confira a sinopse do último episódio da primeira temporada!

4. Profundidade de personagens

Cada personagem central tem sua própria história contada ao longo da série, cada um com suas particularidades, mas nenhum personagem é simples. Longe disso. Existem camadas e mais camadas dentro de cada aia, Martha, general ou comandante. Essa profundidade permite uma aproximação e extrema empatia (que é frequentemente utilizada para quebrar nossos corações), assim como o reverso no caso dos antagonistas. E cada personagem é brilhantemente representado através do trabalho de atuação, que é o próximo ponto.

3. Atuação

Mesmo em uma sociedade onde todos são forçados a agirem de maneira igual, dentro dos conformes ditados pelo regime ditatorial e fundamentalista de Gilead, conseguimos captar a individualidade de cada personagem apresentado. Isso não seria possível sem a profundidade antes citada, mas principalmente, sem a brilhante atuação de cada ator e atriz. Os traços e característica de cada nome está sempre presente, assim como toda a bagagem de seu passado e de suas convicções. Muitas vezes as personagens se comunicam através de olhares e gestos sutis, e mesmo assim, captamos perfeitamente a mensagem. O que nos leva à construção narrativa.

Veja Também!  Ficha Técnica | Zoe e Raven - 2ª Temporada (Original Netflix)

2. Construção Narrativa

Resultado de imagem para the handmaid's tale

Não adianta de nada ter um bom roteiro em mãos e não saber contar a história. E Handmaid’s Tale sabe, e sabe muito. A história tem peso, cada episódio deixa o(a) espectador(a) com o coração na mão e os nervos no máximo. As pequenas vitórias das personagens se constroem minuciosamente durante a história. Nada parece forçado ou apressado (vantagem de séries em relação a filmes), tudo flui em seu tempo, deixando quem assiste completamente envolto na história. É comum encontrar pessoas que deixaram de assistir a série por não aguentarem o peso da narrativa, e isso só pode ser alcançado com uma brilhante construção. Esse peso é comumente gerado pela possiblidade de conexão que se cria entre a trama e nossa realidade, que é o último e mais importante motivo para assistir a série.

1. Temática e atualidade

É estranho pensar que uma série tão distópica possa se aproximar de nossa realidade, mas infelizmente é o caso. É constante a percepção de paralelos entre a narrativa e os tempos em que vivemos. É notável o crescimento das ideologias conservadoras extremistas pelo mundo, sejam elas religiosas, sociais ou comportamentais. Temos como exemplo as manifestações neo-nazistas ocorridas em Charlottesville nos Estados Unidos; o ódio aos refugiados na Europa, representado pela nacionalista francesa Le Pen, ou através do Brexit no Reino Unido. O fato é que existe uma guinada para a direita e para o conservadorismo em escala global. Essa onda chegou ao Brasil com força em 2018, e ameaça a liberdade de grandes parcelas da população, e é curioso pensar que assim como na série, são as mulheres do país que estão à frente da resistência. Nunca (ou pelo menos desde 1964) as discussões sobre feminismo, minorias, totalitarismo e fundamentalismo se mostraram tão necessárias no Brasil, quanto com a recente ascensão dessas ideologias no país. Handmaid’s Tale projeta um futuro fantasioso (mas nem tanto) para sociedades que se deixam levar por esses princípios, e presta, assim, um magnífico serviço que somente a arte pode prestar.

Veja Também!  O Mundo Sombrio de Sabrina | Atriz alerta os fãs sobre o que esperar do casal principal na segunda parte
 
Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"   
 

ARTIGOS RELACIONADOS

1 COMENTÁRIO

  1. Adorei os motivos, descreve perfeitamente o sentimento do telespectador. O mais legal foi conseguir enxergar agora o quão a fotografia está atrelada ao enredo da série. The Handmaid’s Tale veio para mostrar o quão a arte pode imitar a vida #resistiremos

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here