Originalmente lançado no 2020 Sundance Film Festival, o filme Mignonnes tem sua estreia comercial pela Netflix, onde ganha o nome nacional de Lindinhas e uma grande polêmica:

A trama tem chamado muita atenção negativa conforme rumores de sexualização infantil em seu enredo. A história é justamente uma crítica às expectativas em cima de pré-adolescentes em plena descoberta de suas identidades, mas foi abordado de forma incômoda de se assistir.

Veja o trailer logo abaixo:

Sobre o Enredo

Na trama, Amy é uma criança de 11 anos que acaba de se mudar com a família e, para se enturmar com as garotas da escola, aprende a dançar. Ela começa a mudar seu jeito de se vestir e de agir, aprendendo mais sobre si e quem gostaria de ser enquanto se esconde do conservadorismo de sua família.

A protagonista só quer se divertir. Ela não vê malícia nas coreografias impróprias para sua idade, só o faz porque acha divertido e por finalmente ter conseguido fazer amigas, mas a falta de apoio e conversa sobre sexualidade a colocam em um terreno perigoso conforme as coisas ultrapassam dos limites.

O tempo todo Lindinhas tenta mostrar como a dança é uma válvula de escape para Amy, que está presa aos problemas de sua família. Ela é só uma criança e precisa de apoio, o qual nunca lhe é oferecido e a bola de neve se torna cada vez maior, com um peso impossível de ser suportado por alguém tão jovem e inocente.

Veja Também!  Resenha | O Diabo Veste Prada (2001)

A carga dramática do filme é imensa, abordando não só as problemáticas da sexualização infantil, mas toda a pressão religiosa e de tradições familiares sob a ótica de uma criança completamente despreparada para o mundo, mas que também tem muito a ensinar. Mas o problema é muito maior.

Elenco e Personagens

Amy é a protagonista e a câmera a acompanha o tempo todo. Entretanto, não é sozinha que ela se desenvolve: ela cresceu de uma forma em seu lar, seguindo as tradições de sua família, mas começa a questioná-las conforme se torna mais velha, mais crítica e aberta ao mundo. Ela não é “levada ao mal caminho” pelas outras personagens: ela o seguiu como uma rota de fuga do ambiente sufocante em que se encontrava até então.

Até porque todas as personagens centrais são crianças: por mais que as outras garotas tenham mais liberdade de ir e vir, ainda são jovens demais para terem noção de onde estão se metendo por diversão e inocência. É impróprio culpar as crianças pelos eventos narrados ao longo do filme, e é justamente essa a crítica por trás de Lindinhas: as crianças são inocentes.

Veja Também!  Ficha Técnica | Enola Holmes (Original Netflix)

Direção e Fotografia

Vencedor do 2020 Sundance Film Festival, o filme é dirigido por Maïmouna Doucouré, franco-senegalesa, trazendo grande importância ao longa por agregar a ele suas próprias experiências de choques culturais, sujo roteiro é baseado ainda na conversa com pré-adolescentes que viveram cenários semelhantes deste momento de descoberta.

Seguindo a mensagem de que a malícia está nos olhos de quem vê, a direção e fotografia é bem enfática e não se reduz a subjetividades para contar sua história, ainda que chegue beirar às intenções erradas ao focar demais no corpo das atrizes mirins, o que é absurdamente incômodo. Nas mãos erradas, Lindinhas pode ser mal-interpretado, e o perigo nisso é imenso.

O filme também reserva uma boa parcela de cenas para enfatizar a inocência infantil, trazendo belos takes das personagens brincando e se divertindo sem os apelos estéticos e corpóreos que assumem quando dançam. É uma dualidade, mas ao mesmo tempo não é: para elas, ambas camadas são uma diversão inocente. A diferença está no olhar adulto. 

Talvez fosse a intenção da diretora, causar espanto no público, mas a crítica não poderia ser abordada de outra forma? É compreensível a recepção negativa que o filme tem recebido: fora do âmbito artístico dos festivais europeus, onde foi muito elogiado e premiado, é um filme muito forte e explícito para o mercado comercial, de onde vem as mais fortes recusas ao projeto.

Veja Também!  Resenha | Jardim de Meteoros - 1ª Temporada (Original Netflix)

Cenografia e Figurinos

A cenografia é bastante discreta: a escola e os ambientes em que as personagens convivem não parecem ter muito a agregar, trazendo grande significado somente à casa de Amy, regada de elementos da cultura senegalesa, ou dos meios religiosos quais frequenta com sua mãe.

Os figurinos são muito enfáticos para o drama da protagonista: para sobreviver ao ambiente em que vive, se disfarça bem em roupas comuns à sua idade, mas às costas da família veste aquilo com o qual se sente bem, mas que não seria aceito dentro de seu lar. Ela está tentando se descobrir entre os meio termos.

Entretanto, é um filme bastante complexo de se avaliar. Embora a intenção seja boa, a execução parece ter saído pela culatra. Crianças são crianças, são inocentes e tentam se descobrir e se aventurar pelo mundo da sexualidade na pré-adolescência, mas uma fotografia tão explícita seria mesmo necessária para abordar o tema?

Assistiu Lindinhas? O que achou deste filme polêmico? Conta pra gente nos comentários!


Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"  
 

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.