A Cor do Poder, série britânica da BBC One originalmente chamada de Noughts + Crosses, é um drama romântico com toques de ficção científica que chegou recentemente ao catálogo do Globoplay e da programação da Rede Globo, adaptando os livros de Malorie Blackman.

Confira o trailer logo abaixo:

Enredo

Num romance ao estilo Romeu & Juliana, A Cor do Poder conta a história do amor proibido entre Sephy, filha de um político importante, e Callum, o filho da governanta dessa família rica, dois jovens que se veem apaixonados em meio a estritas leis raciais e terão de lutar contra o sistema se quiserem viver esse amor.

Com uma grande crítica social e pela luta anti-racista, a produção brinca com a realidade ao imaginar um mundo dominado pelos negros, onde os brancos são oprimidos apenas por existirem. A ideia vai pela base da empatia, de se colocar no lugar do outro para entender suas dores e suas lutas, tornando-se portanto uma série extremamente necessária.

Resenha | A Cor do Poder (2020)

Elenco e Personagens

Exceto pelo grande Paterson Joseph, o elenco não conta com nomes muito conhecidos pelo público geral, mas promete colocá-los na mídia. O talento de Masali Baduza e Jack Rowan são inegáveis e devemos ficar de olho em suas carreiras.

Os personagens representam certos estereótipos, como os elitistas e as gangues revolucionárias, mas apresentando maior profundidade ao menos em seus protagonistas, que revelam malemolência para lidar com as situações em nuances e portanto se permitindo a uma evolução e aprendizado que também transpassam ao público, sem serem tão 8 ou 80 quanto alguns secundários mais quadrados.

Direção e Fotografia

Julian Holmes e Koby Adom dividem a direção dos seis episódios, cada qual assumindo metade da série, mas trabalhando de forma tão coesa que entregam um verdadeiro trabalho em equipe, unidos pela mesma linguagem e crítica presente em sua mensagem.

A fotografia é uma das mais belas, explorando ângulos e enquadramentos diversos para criar uma obra dinâmica e muito interessante também em seu plano visual. A câmera nem sempre está estável, trazendo certa movimentação que deixa as cenas mais naturais, como um documentário.

Cenografia e Figurinos

A cenografia e o figurino são ainda mais incríveis: ao representar a elite britânica nesta suprarealidade, a série não busca imitar o que conhecemos da vida real, mas compreender a cultura negra e traduzi-la da forma mais fiel possível para este novo mundo, considerando suas vestimentas, arquitetura e decoração a cada ambiente, honrando seu legado em um belíssimo show visual.

Resenha | A Cor do Poder (2020)

E você, o que achou de A Cor do Poder? Conta pra gente nos comentários sua opinião sobre essa nova série!

Na UOL Play você pode assistir aos melhores filmes e séries sob demanda, além de vários canais de TV por assinatura. Tudo isso no mesmo lugar. Gostou? Experimente por 7 dias grátis! Clique e confira!
Experimente o Telecine por 30 dias grátis! Clique e confira!
Os Livros Mais Vendidos de Hoje: https://amzn.to/3nfT3tC
Roupas com Estampas Geek: https://amzn.to/38ykhrx
Quadros e Placas Decorativas Geek: https://amzn.to/3kjL8JR
Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"  

 

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.