Era uma Segunda Vez é a nova série francesa que estreou na Netflix no último dia 19 de dezembro de 2019. Com uma premissa que envolve viagem no tempo, a produção aplica uma boa dose de drama ao contexto.

Importante destacar que a série traz momentos de nudez e tem classificação indicativa de 16 anos.

Sobre o Enredo

Após curtir uma noite de balada e drogas, Vincent recebe juntamente com algumas entregas um cubo de madeira. Após tentar descobrir sua utilidade, descobre que ao entrar no objeto ele é transportado para nove meses no passado.

Percebendo a oportunidade de reconquistar sua ex-namorada e o grande amor de sua vida, Louise, ele começa a viver entre passado e presente. Infelizmente, ao fazer isso, ele acaba cometendo erros com as pessoas que mais ama, a própria Louise e seu filho Stanley.

Ao contar para alguns amigos sobre o cubo e o que ele é capaz de fazer, eles acham que o rapaz está louco e que deve procurar ajuda psicológica. Embora finja que acredite nele, claramente a terapeuta não acha que isso possa ser possível.

Continuando com sua saga entre passado e presente, ele tenta reviver seus momentos de maneira que o seu destino com Louise seja mudado para melhor, porém, por mais que tente, aparentemente o destino dos dois não é ficar juntos.

Sobre a Temática

Você gostaria de ter a chance de mudar o passado para ter um presente/futuro diferente? Quem nunca quis em algum momento reverter um erro cometido, não é mesmo? Será que realmente poderíamos mudar algo voltando ao passado ou o que é pra acontecer simplesmente irá acontecer? Perguntas confusas para uma história confusa.

Há muitos anos somos presenteados por obras que tratam sobre a temática da viagem no tempo. O filme De Volta Para o Futuro (1985) e a série Doctor Who (1963) são exemplos famosos do uso desta temática. Através de um carro, uma cabine telefônica, um cubo de madeira e outros objetos, personagens são transportados para outras dimensões e diversos lugares no tempo.

Nesta série de quatro episódios, vemos as inúmeras tentativas de Vincent reconquistar a sua amada Louise. Enquanto transita entre o tempo, parece cometer ainda mais erros do que acertos.

O maior problema desta série é que ela demora para se desenvolver, o que pode prejudicar o interesse de quem está assistindo. O modo que todo o desenrolar das problemáticas se desenvolve é parado e cansativo.

Outra questão é que embora o enredo construa muito bem a história, o modo que é apresentado pode confundir as pessoas. Em determinados momentos fica difícil perceber se a história está no presente, no passado ou se ele está apenas tendo flashbacks. Alguns clichês são acrescentados ao enredo, como a ideia de todos na França fumarem e o tom melancólico que a série traz em todas as suas quase quatro horas de execução.

Sobre o Elenco e Personagens

Os atores que interpretam Vincent (Gaspard Ulliel) e Louise (Freya Mavor) tem boa interação juntos, porém como romance, eles deixam a desejar. Provavelmente, a falta de química romântica entre eles tenha como culpada a construção dos personagens, pois ambos são extremamente problemáticos e frios.

Outro personagem que tem certa recorrência é o filho de Vincent, Stanley (Sacha Canuyt), um menino bem esperto e muito bem interpretado pelo ator. Ele tem bons momentos de atuação com Gaspard.

Também estão no elenco: Patrick d’AssumçaoJuliette Joy Anquetil Richard Dillane Claire Sermonne Eva Ionesco Thomas Rodriguez.

Sobre a Direção e Fotografia

Embora tenha um enredo bem definido, a produção de Guillaume Nicloux deixa a desejar um pouco, principalmente pela demora em desenvolver a história e por ter um desenrolar do enredo muitas vezes confuso.

Por falar neste desenrolar, a fotografia muda de tons no decorrer dos acontecimentos. No presente a tonalidade da imagem é escura e muitas vezes com um tom alaranjado, no passado a imagem é mais clara com tonalidade branca e outro detalhe é que nos flashbacks, além do tom branco há um desfoque do que acontece ao redor. Porém, em alguns momentos, ficamos um pouco confusos em relação ao tempo em que está se passando a história.

Sobre a Cenografia e o Figurino

A cenografia mostra alguns lugares como restaurantes, hotéis e até um aeroporto, porém o maior destaque é para a casa de Vincent, mais precisamente o porão, onde o cubo de madeira está. Alguns outros cenários aparecem, como uma praia e uma montanha cheia de neve.

O figurino dos personagens é composto de roupas normais, camisetas e calças, com cores que combinam com o cenário e a fotografia da produção. Em alguns momentos que a imagem é mais clara, as roupas tendem a ser claras. Quando é mostrado o presente, algumas roupas mais coloridas são usadas.

E aí, já assistiu Era Uma Segunda Vez? Conta pra gente o que achou!

Na UOL Play você pode assistir aos melhores filmes e séries sob demanda, além de vários canais de TV por assinatura. Tudo isso no mesmo lugar. Gostou? Experimente por 7 dias grátis! Clique e confira!
Os Livros Mais Vendidos de Hoje: https://amzn.to/3nfT3tC
Roupas com Estampas Geek: https://amzn.to/38ykhrx
Quadros e Placas Decorativas Geek: https://amzn.to/3kjL8JR
Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"  

 

4 COMENTÁRIOS

  1. Alô Juliana.
    Quando ele está na caixa o formato da tela é quadrado.
    Lembranças aparecem com formato normal, mas esmaecidas.
    Gostei do rítmo.
    Mulheres complexas são sempre apaixonantes. Rs
    De qualquer forma, “Nada é para sempre”. Rs

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.