Histórias Cruzadas é um filme com direção de Tate Taylor e ganhou indicações a vários prêmios. Inclusive, levou a estatueta do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante para casa. O mérito foi da atriz Octavia Spencer. Porém, ainda foi indicado a Melhor Filme e Melhor Atriz.

Sobre o enredo de Histórias Cruzadas

O filme se passa em um Estados Unidos dos anos 60, em que a segregação de pessoas negras e brancas ainda era algo muito evidente. Um exemplo são os banheiros separados para as empregadas negras que trabalham em casas de brancas. E o filme é todo sobre isso, sobre o racismo e a forma como essas mulheres negras que prestavam serviços às famílias brancas eram, na verdade, escravas modernas. Tratadas com descaso, humilhadas, e ganhando uma miséria.

Então, temos a salvadora branca da trama, Eugenia (Emma Stone). Hollywood parece amar colocar esses indivíduos em todas as produções sobre negros e transformá-las em algo que é sobre brancos ajudando negros. A jovem jornalista decide escrever um livro sobre o ponto de vista das empregadas e publicá-lo, causando algum tipo de manifesto com a forma como elas são tratadas. Principalmente pelo fato da mesma ter sido criada por sua “mãe preta” e ter visto sua mãe “livrar-se” dela.

O problema todo do roteiro de Tate Taylor é exatamente aqui. O filme é uma crítica clara à forma como o racismo ainda dura em todo o mundo. Vemos cenas agoniantes de policiais tratando de forma violenta pessoas negras, como acontece até hoje. Mas, no final, o filme não mostrou realmente o que queria mostrar. A sensação que fica foi de que a história de Eugenia acabou sendo a mais importante e o lado das mulheres negras não foi valorizado como deveria.

Elenco e personagens

As três personagens principais da trama são Aibileen (Viola Davis), Minny (Octavia Spencer) e Eugenia (Emma Stone). As duas primeiras são os maiores destaques da trama. Viola consegue trazer verdade para sua personagem de uma forma tão real que é possível ver a dor pessoal atravessando a interpretação. E, de fato, é o que acontece.

Já Octavia consegue trazer uma pitada de comédia em seu núcleo, mas sem deixar de trabalhar a questão racial. Essa, sem dúvidas, foi uma parte muito importante da produção e que foi executada com excelência de fato. Todo o elenco trabalha com excelência e todos os personagens estão exatamente onde devem estar.

Direção e fotografia de Histórias Cruzadas

Histórias Cruzadas
No Merchandising. Editorial Use Only. No Book Cover Usage.
Mandatory Credit: Photo by Dreamworks Pictures/Kobal/REX/Shutterstock (5884951j)
Viola Davis

A direção, também de Taylor, trabalha muito bem com a montagem das cenas. Por muitas vezes, nos mostrando o lado das mulheres negras enquanto escutam piadas e comentários racistas. E a fotografia é trabalhada de forma a deixar o filme com a sensação de envelhecido. A película é pouco saturada. Não é algo muito original, mas serve bem à ambientação da trama.

Cenografia e figurinos

Histórias Cruzadas
“THE HELP”

Por fim, cenografia e figurino terminam a ambientação do período em que a história se passa. Vemos as mulheres brancas enfeitadas com belos vestidos floridos e rodados, enquanto as mulheres negras trabalham o dia inteiro e voltam para casa em suas roupas suadas e sujas. Além disso, a casa e local onde os brancos moram são enormes, decoradas e luxuosas, enquanto as casas dos negros mal têm luz e espaço. Tudo no filme é crítica e ele pecou apenas no roteiro.

E então, você já assistiu a Histórias Cruzadas? Conta para a gente o que achou!


Inscreva-se no nosso canal
 
Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"   
 

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.