A tão esperada 4ª Temporada de La Casa de Papel finalmente chegou a Netflix e vários questionamentos do público foram respondidos. Com oito episódios, a produção lançada em 03 de abril de 2020 trouxe muita tensão ao público e um final inesperado.

Sobre o Enredo

Após atirarem em Nairóbi, ela pede que a entreguem para a polícia, pois não quer correr o risco de morrer, porém Palermo acredita que o melhor a se fazer é o grupo operá-la. Após uma acalorada discussão entre todos, principalmente Tóquio e Palermo, eles decidem fazer a cirurgia.

Do lado de fora do Banco, o Professor se esconde dos investigadores enquanto sofre por acreditar que Lisboa está morta. A polícia leva a ex-inspetora até Alícia para ser interrogada. Após os policiais saírem da floresta, Marsella encontra o professor e eles saem de lá.

Desiludido, o Professor deixa a emoção falar mais alto que a razão, porém, depois de uma conversa com Tóquio, percebe que provavelmente a polícia tenha mentindo sobre a morte de Raquel e finalmente coloca a cabeça no lugar, encontrando uma maneira de que Lisboa saiba que ele sabe que ela está viva e que vão tira-la de lá.

Após um surto de Palermo, a equipe acha melhor prendê-lo até que volte a ter um pouco de sanidade. Enquanto Rio cuida dos reféns, Gandia, o chefe de segurança do Banco consegue escapar das algemas e Rio não consegue atirar nele, culminando na fuga dele pelo interior do Banco.

Enquanto praticamente todos do grupo estão tentando capturar o segurança, Arturito ajuda uma das reféns que está com crise de ansiedade, dando um remédio para que durma. Por Rio estar estranho, os outros bandidos acreditam que ele possa ter ajudado Gandia a se soltar, porém o Professor defende ele e todos (exceto Nairóbi e Palermo) seguem procurando.

Por conhecer o Banco da Espanha como a si mesmo, o segurança rapidamente encontra um lugar para se esconder e entra em contato com Tamayo, dizendo que vai agir contra os assaltantes. Enquanto isso, a casa cai para Prieto e Sierra após descobrirem que Rio foi torturado e Lisboa está presa sem um mandato.

Do lado de dentro, Gandia tenta de todas as maneiras prejudicar o grupo, enquanto Arturo é acusado de ter abusado de uma das reféns. Após um plano extremamente bem elaborado, aparentemente tudo entra nos eixos. Sierra acaba tendo um mandato de prisão, mas acaba fugindo e decide agir por contra própria para limpar sua barra, podendo destruir o plano do Professor.

Sobre a Temática

Quem poderia imaginar que o maior inimigo do grupo estaria do lado de dentro do Banco da Espanha e não do lado de fora? Podemos dizer que esta pergunta define o que foi a 4ª Temporada de La Casa De Papel.

Sem dúvidas, a ideia de apenas salvar Rio e sair de lá com o ouro morreu, pois agora a morte de um rival significa a vida do outro. Podemos dizer que esta temporada foi mais sombria que as anteriores, rendendo muita ação, suspense e muitos tiros. Para quem gostava dos momentos de alívio que as outras temporadas tinham, certamente ficarão um pouco decepcionados.

Muitos questionamentos surgiram após o fim da 3ª Temporada, então a expectativa era obter respostas e ver como o assalto ao Banco da Espanha terminaria. Muitas perguntas foram respondidas, como por exemplo o que aconteceu com Nairóbi e quem é a tal refém que a câmera tanto focava na temporada anterior.

Na terceira temporada, sentimos a falta de uma interação maior com os reféns e pasmem, muitos sentiram saudades de Arturito. Com uma maior aparição do personagem, temos apenas uma certeza: Arturo é um ser desprezível!

Muitos temas foram inseridos nesta temporada, mas certamente a maior lição que podemos tirar sobre a equipe (diretor e produtores) de La Casa de Papel é que eles são muito corajosos na constituição do enredo, o que pode dar muito certo e ser um sucesso ou dar muito errado.

Um problema que pode incomodar é o tempo que demorou para a temporada deslanchar. Apenas a partir do quarto ou quinto episódio é que o enredo começa a ficar mais interessante. Diferente da temporada anterior, Sierra fica um pouco apagada, porém, nos últimos episódios ela tem um pouco mais de destaque, embora bem menor do que imaginávamos.

Por fim, um detalhe adicional vem com um documentário que conta um pouco de como uma série espanhola em decadência se tornou um sucesso mundial. É importante destacar que para não estar exposto a spoilers, se tiver vontade de acompanhar, é imprescindível ter assistido as 4 temporadas.

Sobre o Elenco e Personagens

Nesta temporada, alguns personagens tiveram muito destaque. Tóquio mostrou toda a sua imponência e sem dúvidas se tornou uma grande líder. Ela foi responsável por muitos momentos importantes ocorridos no decorrer dos episódios. Muito deste destaque da personagem devemos a atriz Úrsula Corberó que é incrível e passa muita veracidade e personalidade.

Na quarta temporada, conhecemos um pouco mais de Bogotá, o que foi uma grande surpresa. Com seu jeito meio ogro de ser, ele começa a mostrar que pode ser um homem bem carinhoso. Hovik Keuchkerian foi uma grata surpresa ao dar vida ao personagem.
Após conhecermos um pouco mais do relacionamento de Palermo e Berlim (durante os flashbacks), ficou ainda mais claro que Palermo é misógino e racista. O trabalho de Rodrigo de la Serna ficou ótimo e deixou o público muito irritado com o seu personagem.

Um certo alívio cômico ficou por conta de Marsella, que teve bom destaque comparado a temporada anterior. O personagem tem uns momentos bem legais, com bons diálogos com o Professor, nos fazendo rir um pouco. Méritos ao ator Luka Peros, que soube conduzir bem o crescimento do personagem.

Também estão no elenco: Álvaro Morte, Itziar Ituño, Pedro Alonso, Alba Flores, Miguel Herrán, Jaime Lorente, Esther Acebo, Enrique Arce, Darko Peric, Najwa Nimri, Hovik Keuchkerian, Rodrigo de la Serna e Luka Peros.

 

Sobre a Direção e Fotografia

Mais uma vez o diretor Álex Pina deixou o público tenso e cheio de questionamentos. Diferente das outras temporadas, vimos que os sentimentos estavam muito mais a flor da pele, com muitos tiros e violência. Durante o documentário, o diretor e sua equipe falam um pouco sobre como eles desenvolvem o enredo no decorrer das temporadas.

Um ponto negativo do enredo está na demora em começar a desenvolver pra valer as consequências do assalto, algo que acontece lá pelo episódio quatro. Esta “enrolação” pode ser negativa, pois acaba deixando o público um pouco entediado, mas quando finalmente a série entra nos eixos, é eletrizante.

Em grande parte da série a fotografia é escura. Nos flashbacks vemos algumas imagens em um tom em sépia, provavelmente para dar uma impressão de ser algo ocorrido há anos atrás. No Banco da Espanha, a imagem escura serve de contraste para evidenciar o figurino dos personagens.

Em suma, a equipe de efeitos especiais teve um destaque grande nesta temporada, desenvolvendo bons momentos em que a sensação de que estávamos presenciando uma guerra ficou bem real.

Sobre a Cenografia e Figurinos

Assim como na temporada anterior, vimos o mosteiro em que Berlim está nos flashbacks, onde também ocorre seu casamento com Tatiana, rendendo um momento épico de Berlim. Também vemos um bar em que o Professor, Berlim e Palermo estão.

Exceto alguns momentos em que os personagens aparecem em locais abertos, em sua maioria a série é gravada dentro do Banco, um lugar imenso e muito bem explorado pelos personagens no decorrer dos episódios.

O figurino principal continua sendo os macacões vermelhos com a máscara de Dalí, porém em alguns momentos de flashback, vemos as roupas mais sofisticadas do Professor, Berlim e Palermo, além de um belo vestido de Tatiana.

E aí, já assistiu a 4ª temporada de La Casa de Papel? Conta pra gente o que achou!


Inscreva-se no nosso canal
 
Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"   
 

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.