O Castelo no Céu (天空の城ラピュタ, Tenkū no Shiro Rapyuta) é um filme japonês de fantasia e ação. Lançada em 1986, a animação dirigida por Hayao Miyazaki é uma das produções do aclamado Studio Ghibli, e acaba de chegar à Netflix.

Assista ao trailer:

Sobre o Enredo

No filme, a órfã Sheeta é sequestrada pelo coronel Muska, mas a nave que os levava é atacada por uma gangue de piratas aéreos, a comando de Dola. A jovem cai da nave, e a pedra mágica que carregava em seu colar a salva. Assim conhece Pazu, um garoto também órfão, e juntos tentarão descobrir mais sobre a mística cidade de Laputa, além de protegê-la de Muska e dos piratas, sedentos por seus tesouros.

A trama é uma doce aventura onde significados de amizade, confiança e respeito ao patrimônio público/natural serão colocados à prova a todo o momento. A fantasia também entra em ação com a presença de alguns elementos mágicos, que deixam a história ainda mais encantadora.

Resenha | O Castelo no Céu (1986)

Personagens e Elenco

Os personagens principais são Sheeta e Pazu, que compartilham semelhanças muito além da ausência de seus pais: ambos são solitários, mas nem por isso deixaram de enxergar a beleza da vida, e o espírito aventureiro unido a lealdade a seus amigos pode ser uma dádiva, mas ainda os coloca em grandes confusões. É possível sentir uma química entre a dupla, mas por serem aparentemente crianças (sua idade não é especificada), sua relação não se aprofunda no campo romântico.

Muska entra como o grande vilão da história, enquanto Dola é mais uma figura anti-heroica que passa por um belo desenvolvimento de personalidade ao decorrer da narrativa. Os demais piratas surgem mais como um alívio cômico, muito bem-vindo em uma história que, embora infantil, não deixa de ser pesada e repleta de cenas de ação.

Resenha | O Castelo no Céu (1986)

As vozes do áudio original em japonês ficam sob responsabilidade de Keiko Yokozawa (Sheeta), Mayumi Tanaka (Pazu), Kotoe Hatsui (Dola) e Minori Terada (Muska), todos impecáveis em seu trabalho. Não há versão dublada disponível na Netflix.

Direção e Animação

Tanto o roteiro quanto a direção de Hayao Miyazaki é impecável: todos os filmes assinados por ele são de exímia e incomparável qualidade. Entretanto, outro nome que merece ser creditado quando falamos de O Castelo no céu é Hirokata Takahashi, responsável pela cinematografia da obra, cujo conjunto é extremamente fantástico.

Utilizando técnicas tradicionais de animação, o filme dos anos 80 apresenta características bastante semelhantes aos animes da época, com traços marcantes que até hoje são a cara da Ghibli, mas ousando em representações completamente inovadoras de barcos voadores, ilhas em nuvens — e, claro, robôs tecnológicos.

Cenografia e Figurino

Neste sentido, toda a ambientação do filme é bem trabalhada: tudo em O Castelo no Céu é de deixar qualquer um de boca aberta, com paisagens extremamente naturais belas, mas também com passagens secretas e escuras de arrepiar. Explorar o universo de Laputa é uma missão de tirar o fôlego.

O figurino dos personagens, por sua vez, já opta por algo mais simples, mas que combina com a aura e época da animação. Já o cabelo de Sheeta não passa batido, quase tornando-se um personagem da obra devido a sua importância e presença em diversas cenas, sempre aos ventos.

E com tantos elogios, mal dá para acreditar que se trata do primeiro filme do Studio Ghibli: O Castelo no Céu foi lançado em 1986, somente um ano após a fundação do estúdio que viria a se tornar um dos maiores de todo o mundo, e já é essa perfeição toda!

E você, o que achou de O Castelo no Céu? Conta pra gente nos comentários!


Inscreva-se no nosso canal
 
Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"   
 

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.