Resenha | O Destino de Uma Nação

O filme excede tecnicamente na criação de uma Grã Bretanha dos anos 40...

0
75

Sinopse: Winston Churchill (Gary Oldman) está prestes a encarar um de seus maiores desafios: tomar posse do cargo de Primeiro Mnistro da Grã-Bretanha. Paralelamente, ele começa a costurar um tratado de paz com a Alemanha nazista que pode significar o fim de anos de conflito.

O filme, que acompanha o primeiro ministro inglês Winston Churchill desde sua posse até a retirada dos soldados de Dunkirk, possui seu principal trunfo em seu protagonista, e na atuação de Gary Oldman, que consegue brilhar e dominar qualquer cena em que esteja, ainda que muitas vezes sem falas, a linguagem corporal, os trejeitos e os olhares de Oldman dizem muito, e mostram o porquê de seu favoritismo para o Oscar.

O filme excede tecnicamente na criação de uma Grã Bretanha dos anos 40, com um design de produção extremamente cuidadoso e uma fotografia impressionante o filme consegue trazer uma dinamicidade, principalmente pelos planos longos e com movimentos rápidos, que permite que a densa trama não se torne monótona e prenda a atenção do público, com um destaque para o cuidado da utilização dos pontos de luz e contra luz, que exprimem um cuidado e preocupação para com a estética, tornando salas e palácios cinzentos e “mortos” em ambientes vivos e memoráveis.

 

A trilha sonora excede ao exprimir um tom, quase que épico, aos discursos e momentos importantes da trajetória de Churchill, assim como o roteiro que consegue muito bem tornar as falas de Winston, quase sempre, inesquecíveis. Porém, o longa é carregado pela atuação de Oldman e quando este não está em cena, perde muito de sua força e vivacidade, com personagens pouco explorados e atores sub-aproveitados, gerando um problema de ritmo no filme, tendo em vista que o filme é repleto de momentos memorosos alternados por momentos monótonos e desinteressantes.

Portanto, “O destino de uma nação “, possui uma das atuações mais memoráveis do ano, com Gary Oldman na pele de Winston Churchill, e mostra um lado pouco conhecido da segunda guerra mundial, por meio de uma fotografia cuidadosa e impressionante, porém o excesso de protagonismo traz problemas para o elenco de apoio, que fica sem seu momento de brilhar, gerando um problema de ritmo no filme.

 

Gostou do filme? Deixa nos comentários!

Resenha de Cinéfilo Carioca

Veja mais
Publicidade
Review Geral
Recomendo!
Compartilhar
Artigo anteriorNetflix – Novidades e remoções da Semana (12/02 – 18/02)
Próximo artigoCinema | Estreias da Semana (15/02)

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here