Pegue os personagens da literatura gótica vitoriana. Coloque-os em um ambiente cheio de fumaça do século 19 e decore com fantasmas e monstros surreais. Acrescente um pouco de uma atmosfera fétida de obscuridade. O resultado final da receita é a 3ª temporada de Penny Dreadful.

Logo na abertura, temos a nossa enigmática heroína de olhos esbugalhados, a médium Vanessa Ives (interpretada por enigmática Eva Green) olhando indiferente sobre uma casa abandonada. Os closes das moscas e besouros sobrevoando os pratos abandonados é nojento. Vanessa se agacha no chão, rasgando pedaços de pão como um animal faminto. Mas isso não é nada demais para o que se segue adiante.

Penny Deadful é impressionante e atmosférica. Os excelentes valores de produção, o elenco impressionante e o belo enquadramento tornam a série extremamente bonita de se ver, com a linguagem – especialmente a de Russell Beale – um deleite absoluto.

Veja Também!  Resenha | Barra Bravas (Original Netflix)

A 3ª temporada de Penny Deadful mostrou basicamente duas séries em uma: a incrível e a cheia de erros

No entanto, depois de certo ponto, acabamos nos deparando com uma queda no ritmo: ficou lento demais. Isso pode ser percebido com Vanessa e seus encontros enigmáticos, suas conversas em círculos e reflexões pesadas.

Onde foi parar o melodrama? Os monstros? O sangue? Ela era uma sedutora endemoniada e possuída por demônios cujos poderosos poderes clarividentes são enfraquecidos durante toda a série, mas realmente anulados na 3ª temporada.

À medida que o tempo avança, ela continua a tomar decisões estúpidas e se torna uma idiota. Ela se preocupa cada vez menos com o motivo pelo qual é escolhida pelo diabo e se consome com a ideia de se livrar disso, em vez de explorar seus poderes, para o bem da humanidade.

Veja Também!  Resenha | Meu Amigo Totoro (1988)

Outro problema que já dava indícios de acontecer – mas que ficou ainda mais evidente – foram os muitos personagens inseridos no enredo apenas para serem desperdiçados. Exemplos são o feminino, o queer e os personagens de cor sendo deixados em segundo. Isso enquanto os personagens masculinos brancos têm suas histórias mais destacadas. Valeria a pena rever isso daí…

 

Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"   
 

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.