The English Game é um drama histórico, produzido por Julian Fellowes e estrelada por Edward Holcroft, Kevin Guthrie, Charlotte Hope e Niamh Walsh. Tem classificação de 14 anos e estreou no dia 20 de março, na Netflix.

Enredo

A trama se inicia no ano de 1879, na Inglaterra, e acompanhamos Fergus Suter e Arthur Kinnaird, dois homens muito importantes para a evolução e profissionalização do futebol. Naquela época, o esporte era dominado pela elite, que o praticava apenas por prazer e criava todas as regras. Enquanto isso, do outro lado, os operários jogavam, também sem receber, para agradar o seu povo e dar a eles alguma alegria, em meio aos cortes de salários e às greves. Com a chegada de Fergus Suter e Jimmy Love, que foram contratados (com salário) para jogar pelo time da pequena cidade de Darwen, a profissionalização do futebol é questionada, já que, na época, era proibido receber para jogar.

Elenco e Personagens

Com muitos atores e muita qualidade nas atuações, a minissérie tem, no elenco, seu ponto mais forte. Todos trabalham muito bem e passam muita verdade em cena. O único problema é o futebol: como são atores, não jogadores, é um tanto cômico assisti-los em campo. Eles não passam tanta verdade com a bola nos pés. Mas isso não é algo que incomode, até porque, se sabe que, naquela época, o futebol não era tão bem jogado como hoje. O esporte não só passou por mudanças nas regras, como táticas e técnicas, também.

Fergus (Kevin Guthrie) é um homem ambicioso, que sonha em dar uma vida melhor para sua mãe e irmãs e afastá-las do pai agressivo. Para isso, ele aposta no futebol e no seu talento. Diferente da maioria dos jogadores e torcedores, Suter enxerga o futebol além da paixão: para ele, é uma fonte de renda e uma forma de ajudar a sua família. Apesar de ser um personagem interessante, foi pouco explorado e trabalhado pela direção, que não se preocupou muito em mostrar seu passado nem em desenvolver seu relacionamento com Martha. Ainda assim, o ator trabalha muito bem, tem uma atuação crível, emociona e conquista o espectador, que torce para suas vitórias.

Veja Também!  Ficha Técnica | Unbreakable Kimmy Schmidt: Kimmy x Reverendo - 1ª Temporada (Original Netflix)

Arthur (Edward Holcroft) é um homem rico, da aristocracia inglesa, que, como os outros de sua classe, vê o futebol como uma paixão e o joga apenas por prazer. Mas, diferente dos seus amigos e companheiros de time, não é esnobe e é o único que concorda com as mudanças que estão acontecendo no esporte. Também é um dos poucos da alta sociedade que se compadece com a situação dos operários e tenta ajudá-los. É um personagem mais bem trabalhado do que os outros (inclusive do que Fergus), tem uma trama mais desenvolvida e explorada, é mais carismático, o que causa mais empatia no público. Seu relacionamento com a esposa é bem explorado, assim com a péssima relação com o pai. Ambos têm uma certa implicância com o futebol, principalmente o pai, que não o apoia e nem acredita no seu potencial. Arthur tem uma mudança bem significativa, ao longo dos episódios, e é um personagem muito bem construído. Holcroft tem uma atuação bastante convincente.

Alma (Charlotte Hope) é uma mulher determinada e corajosa. Muito empática, ela se compadece com a situação das mulheres do abrigo de Blackburn, cidade da Inglaterra, e, ao lado do marido Arthur, buscará maneiras de tentar ajudá-las. Hope tem uma atuação muito boa e convincente. Sua trama ao lado de Arthur é bem explorada e muito interessante. Martha (Niamh Walsh) tem uma das histórias mais interessantes e bem desenvolvidas da série. É uma mulher forte e muito determinada. Tem uma filha pequena, não é casada, e como era de se esperar, nessa época, sofre muito preconceito por isso. A atriz tem carisma e consegue conquistar o público. Mesmo sem ser uma das personagens principais, rouba a cena, quando aparece, e tem um brilho como poucos ali. Walsh trabalha muito bem e passa muita emoção com pouco. Faz uma bela construção de personagem.

Veja Também!  Confira o Top 10 Filmes de hoje na Netflix Brasil (04/08)

Direção e Fotografia

A direção vai bem e consegue construir uma boa ambientação da época, inclusive do futebol. Este é bem realista, apesar dos atores não convencerem tanto jogando. A bola, as regras, o jogo, os uniformes, o campo, as formações: tudo remota à época e ao começo do esporte. A narrativa é lenta e um tanto arrastada, no início. O roteiro parece querer inserir várias coisas de uma só vez e há muita informação em pouco tempo. Isso incomoda e torna a série um pouco cansativa. Apesar disso, as boas atuações, o futebol (para os fãs desse esporte) e a curiosidade são bons motivos para continuar assistindo. E é uma boa insistir mesmo, porque melhora bastante. A partir da metade da série, a narrativa se torna mais fluida, envolvente e consegue, finalmente, prender o espectador. A fotografia é um tanto colorida, principalmente as roupas, mas, normalmente, em tons frios. As cenas noturnas são bem escuras, apenas com a iluminação de velas, o que deixa a ambientação da época ainda mais realista.

Veja Também!  Resenha | De Volta - Livro de Kass Morgan

Cenografia e Figurino

As cenas acontecem em Glasgow, na Escócia, em algumas cidades da Inglaterra, como Darwen, Blackburn e Londres. Há muitas cenas na casa de Arthur e Alma, na usina de algodão de Darwen, na casa de Jimmy Love, no bar que os operários frequentam e no abrigo de mulheres, em Blackburn. Além, é claro, dos campos de futebol. Os objetos de cena remetem bastante à época, assim como o figurino, que é bem fiel ao período retratado. Além disso, os personagens usam os trajes de acordo com suas classes sociais.

Sobre a série

The English Game é muito bem feita, com ótimas atuações, uma história muito interessante e uma boa direção. Tem personagens carismáticos e que ganham o carinho do público. Para os fãs do futebol, é interessante ver como tudo começou e como o esporte evoluiu e começou a se desenvolver e ser jogado por todos. Também é uma boa opção para quem não curte tanto a modalidade, mas gosta de um bom drama. The English Game não aborda apenas o futebol, mas também mostra as diferenças entre as classes sociais: enquanto os donos das usinas de algodão tentam diminuir gastos para não deixar de lucrar, os operários fazem greves e rebeliões para não terem os salários diminuídos. Por se tratar de uma minissérie, é provável que não haja uma segunda temporada.

 


Inscreva-se no nosso canal
 
Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"   
 

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.