Tully é a nova parceria entre a roteirista Diablo Cody e o diretor Jason Reitman, que traz novamente Charlize Theron como protagonista após o ótimo Jovens Adultos (2011). A parceria entre Cody e Reitman começou com o indie-hit Juno, de 2007.

Marlo (Theron) é mãe de duas crianças e está afastada do trabalho pois está grávida do terceiro bebê, que nasce aos 10 minutos da projeção. Dividindo seu dia entre atividades domésticas, conversas com a diretora do colégio do filho mais novo Jonah (Asher Miles Fallica) e o marido Drew (Ron Livingston), alheio às dificuldades enfrentadas pela esposa, Marlo encontra-se extremamente exausta.

Em um jantar na casa de seu irmão Craig (Mark Duplass), ele recomenda que Marlo contrate uma babá noturna, que tomará conta do bebê enquanto a mãe possa descansar e recuperar as energias. Receosa de início, as contínuas situações estressantes e a rotina cansativa dos primeiros dias da recém-nascida Mia fazem Marlo contratar Tully (Mackenzie Davis), indicação do irmão.

Veja Também!  Resenha | A Sun (Original Netflix)

Jovem e despojada, Tully torna-se um alívio na vida de Marlo e constantemente a surpreende, seja com cupcakes ou por ter arrumado a casa durante a noite. O relacionamento dessas duas mulheres se desenvolve, transformando o clímax e a revelação final num desfecho muito tocável e interessante.

A direção sensível de Reitman para com este drama familiar caminha com o roteiro sutil e precisamente humorístico de Cody, principalmente nos momentos de liberação do estresse acumulado por Marlo durante o filme. Um bom adjetivo para tal combinação poderia ser “aconchegante”: os diálogos coloquiais assimilam a parceria entre Tully e Marlo e sua admiração mútua. Quando Jonah derruba leite em sua camiseta e Marlo se despe, sua filha mais velha Sarah (Lia Frankland) pergunta: “Mãe, o que há de errado com seu corpo?”, simbolizando a essência do filme em outra precisa frase do roteiro de Cody.

Veja Também!  Resenha | 1917 (2019)

Charlize Theron também impressiona com seus picos de estresse e calmos momentos de contemplação. A atriz ganhou cerca de 22kg para interpretar Marlo, mantendo uma alimentação regada a comidas processadas e milk-shakes. Theron já havia passado por mudanças radicais na interpretação de uma personagem em Monster: Desejo Assassino (2003), que lhe rendeu o Oscar de Melhor Atriz no ano seguinte.

A intimista trilha sonora de Rob Simonsen também ajuda a criar um sentimento de beleza dentro do caos que está a vida de Marlo. “Garotas nunca se curam. Pode parecer que nós estamos melhores, mas se você olha mais perto, estamos cobertas de corretivo”, Marlo diz a Tully em determinado momento, quando as duas conversam sobre a dificuldade de certos relacionamentos.

Veja Também!  Resenha | A Sun (Original Netflix)

A chegada de Mia também abre o leque de reflexões para com Jonah e Sarah, os outros dois filhos de Marlo, cada um com seus dramas particulares. Simples e belo, Tully é uma história moderna e materna sobre as possibilidades da vida e a essência de cada um, mantida para sempre dentro de nós.

 

Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"   
 

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.