Café, chá ou ele? Esse é o problema que a comissária de bordo Montana Moore (Paula Patton) enfrenta em Voando Para o Amor. Ela está determinada a aparecer no casamento de sua irmã com um noivo, custe o que custar.

É possível rir de sua mãe (no 5º casamento) dizendo que uma garota se torna uma dama apenas quando ela se casa antes dos 30 anos (Montana está quase lá); e só se torna uma mulher depois que ela tem dois filhos pelo menos. Então, Montana acaba tendo muito o que fazer em menos de 30 dias.

Voando Para o Amor, do roteirista e diretor David E. Talbert, é uma comédia romântica tão leve e sem pontos fortes que você quase espera que ela saia flutuando.

Veja Também!  Resenha | Once Upon A Time (6ª Temporada)

Voando Para o Amor é tão “leve” e morno que ironicamente parece flutuar

Isso só não acontece porque está ancorada por uma performance vitoriosa e incansável de Patton. A atriz (maravilhosa, diga-se de passagem) encontra o centro suave de uma personagem que, em outras mãos, poderia ser vista como alternadamente ditativa e manipuladora.

Montana pede a ajuda de seus melhores amigos, as comissárias de bordo Gail (Jill Scott) e o estereotipicamente gay Sam (Adam Brody). Seu plano: acompanhar todos os ex-namorados que já teve através de suas reservas de passagens de avião. Com isso, ela veria qual valeria a pena investir.

Se parece uma ideia estúpida? Bem, é. Essa é uma daquelas comédias românticas que contam com coincidências e mal-entendidos que poderiam ser esclarecidos com uma simples ligação de celular, mas isso não ajudaria o “enredo”.

Veja Também!  Os 10 Maiores Musicais Vencedores do Oscar

Este é também um daqueles filmes em que o sobrenome de todos significa alguma coisa, talvez o pior clichê da escrita. Montana Moore quer mais para a vida dela, entendeu? Sua melhor amiga é Gail Best.

Não em um filme colorido que persegue teimosamente uma política de previsibilidade. Patton, no entanto, mantém as coisas interessantes. Em alguns pontos ela consegue transformar o “mais do mesmo” em algo com entusiasmo. Seu charme segura a trama enquanto sua personagem passa de um encontro ruim atrás do outro.

Vale a pena assistir? Sim, vale. Para quem gosta de um entretenimento que não precise fazer muito sentido, Voando Para o Amor é uma boa pedida. É o tipo de filme bem “Sessão da Tarde”.

Veja Também!  Resenha | The Blacklist - 2ª Temporada

 

 
Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"   
 

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.