Atenção, esta matéria irá conter spoilers da primeira e da segunda temporada de You (Netflix).

A série You (Netflix), traduzida como Você, chegou à plataforma em setembro de 2018. Com uma proposta diferenciada, trazendo o que parecia à princípio uma história de amor, o show mostrou-se, na verdade, um conto de horror. Seu protagonista, Joe Goldberg, envolve o espectador em sua narrativa enquanto faz de tudo para estar junto de seu interesse amoroso, inclusive, cometer diversos crimes.

Como a história segue pelo ponto de vista do personagem de Penn Badgley, tudo o que vemos é a sua versão dos acontecimentos. A forma como Joe observa os fatos é a forma como entendemos eles. E isso tudo é muito perigoso. Inclusive, houve várias discussões à respeito da série. Isso porque muitas pessoas romantizaram os crimes e a conduta obsessiva de Goldberg. A questão é que a forma como foi produzido o show dá sim margem para tal interpretação.

Veja Também!  Ficha Técnica | Arrow - 8ª temporada

You (Netflix) pode ser associada à Lolita de Nabokov

Assim como é possível observar na obra de Vladimir Nabokov, Lolita, protagonistas manipulam narrativas. Na obra, Humbert Humbert, um homem de meia idade, abusa de uma jovem de 12 anos. Tanto o livro, quanto o filme, foram romantizados e mal interpretados. Alguns trataram da história como um romance, outros acreditam que Dolores quem seduziu o homem e se tratava de uma relação totalmente consensual.

Humbert era um pedófilo. Um homem que via em uma criança um objeto de desejo sexual e afeição romântica. No momento em que o protagonista vê sua Lolita como uma adulta, no fim da obra, todo o seu encanto some. Então, toda aquela versão de Dolores que era mostrada ao longo da obra não passa do ponto de vista doentio de Humbert.

Em You (Netflix), temos a história pelo ponto de vista do apaixonado Joe. Ele vê seus alvos com afeição e como um prêmio. Mas toda a realidade é manipulada e controlada por ele para que nada atrapalhe suas investidas. Toda essa desconstrução do encantamento inicial pode ser observado ao fim de cada temporada.

Veja Também!  Resenha | Amazing Stories - 1ª Temporada (Original Apple TV+)

Um exemplo é quando Joe chega ao fim da segunda temporada e fica horrorizado em descobrir que Love (Victoria Pedretti) realizou com ele os mesmos crimes que ele mesmo cometeu contra ela e contra Beck (Elizabeth Lail). E não foi só Goldberg, o público como um todo ficou surpreso. Porém, a mesma fala para ele que a verdadeira forma dela sempre esteve ali, ele que enxergou apenas o que queria.

O perigo do envolvimento não crítico do público

Toda a surpresa do público, que foi a mesma de Joe, foi por conta da manipulação que o mesmo fez com relação à toda a história. E o perigo por traz dessa narração idealizada é exatamente esse. Vários outros protagonistas que sofrem de patologias parecidas são apresentados ao público desta mesma forma e a falta de análise faz com que o espectador se envolva com o roteiro ao ponto de achar que condutas parecidas com aquelas são normais.

Veja Também!  Ficha Técnica | Trying - 1ª Temporada (Original Apple TV+)

A banalização ou a interpretação incorreta dos fatos apresentados pela obra geram um espectador suscetível a ver tais condutas de forma naturalizada em sua própria convivência. Então, o perigo é gerarmos um público que, ao invés de sentir repulsa, irá abraçar ações obsessivas como a de Joe.

E você, o que acha que protagonistas como Joe podem fazer com o público? Conta para a gente aí nos comentários! Vamos conversar.

Na UOL Play você pode assistir aos melhores filmes e séries sob demanda, além de vários canais de TV por assinatura. Tudo isso no mesmo lugar. Gostou? Experimente por 7 dias grátis! Clique e confira!
Siga o Entreter-se também no Google Notícias, CLIQUE AQUI e em seguida aperte em "Seguir"  

 

1 COMENTÁRIO

  1. Primeiramente quero agradecer pela postagem, ela abriu as portas para uma discussão extremamente importante e interessante. Essa postagem me fez refletir e escrever esse texto, que foi feito com o objetivo de discordar, mas sem perder o respeito. Ficaria agradecido se conseguisse ler ou até responder esse comentário.

    Eu discordo que a série You faça a função de romantizar Joe. Acredito que a função principal apresentada na série é mostrar o quão distorcida é a visão de Joe. Como afirmou no texto, em muitas situações Joe apresenta um raciocínio similar ao nosso; um exemplo disso é quando Joe pensa que “Beck seria melhor sem seu namorado”. O problema, e onde a série excede, é quando Joe distorce completamente o pensamento ordinário em “Devo matá-lo”. Quando ele assume tal posição conseguimos perceber seu Complexo de Grandeza/Deus, onde acredita que todos são inferiores e necessitam dele para solucionar os problemas. (Isso também é visto na segunda temporada quando ele assume a postura de salvador de Delilah e sua irmã). Joe vê as pessoas como brinquedos em seu castelo, onde pode manipulá-las e alterar completamente seus caminhos, matando para atingir tal objetivo.

    Eu acredito que séries como essa buscam, não romantizar sociopatas, mas mostrar a verdadeira imagem deles. As pessoas tendem a acreditar que existem “pessoas boas” (os heróis) e “pessoas ruins” (os vilões), uma mentalidade marveliana do universo. Entretanto, a vida real é diferente, muitas pessoas possuem uma lógica para agirem da maneira que agem, mesmo que sua lógica seja distorcida. Há também situações nas quais pessoas que seriam consideradas “vilões” podem agir de maneira que, no esquema geral, seja positiva.

    Uma série que também trata esses temas, de maneira até mais profunda, é Dexter. Nessa série o personagem principal é um Serial Killer que mata assassinos. Com isso ela apresenta diversas discussões como: “Se um serialkiller mata assassinos ele é um herói?” e “Ele é melhor que os assassinos comuns?” Discussões que são complexas e frustrantes para a maioria das pessoas. Mas a realidade é complexa!

    Desde crianças somos apresentados com histórias nas quais existem vilões e heróis, sabemos exatamente quem é quem. Os vilões agem de maneira malvada e heróis de maneira correta. Entretando, na realidade isso não existe, muitas pessoas possuem boas intenções e mesmo assim atuam de maneira moralmente questionável “De boas intenções o inferno está cheio”. Acredito, que é isso que You apresenta, uma visão mais próxima da realidade. Uma realidade na qual pessoas possuem uma lógica por trás de suas ações, mesmo que distorcida, e que não segue a dita mentalidade Marveliana, na qual os heróis e vilões são bem definidos.

    Busco ter adicionado à discussão. Continue o bom trabalho!!!

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.